HISTÓRIA DA CIDADE

“Cajati” é um termo originário da língua geral paulista que designa a árvore Cryptocarya mandioccana.
 
Por volta do ano 1000, a região foi invadida por povos tupis-guaranis procedentes da Amazônia, que expulsaram os habitantes anteriores, falantes de línguas do tronco linguístico macro-jê, para o interior do continente. No século XVI, quando os primeiros europeus chegaram à região, a mesma era habitada pelos carijós.[10]
 
Na década de 1810, chegaram, no Porto de Cananéia, alguns jovens portugueses: dentre eles, Matias de Pontes. Na sua busca por ouro, Matias e um índio chamado Botujuru foram desbravando e explorando a mata.
 
Matias queria conhecer a região, porém Botujuru, ao contrair malária, veio a falecer. Ele foi o primeiro ser humano de que se tem conhecimento a ser enterrado no lugar. Matias e outros apossaram-se de duas glebas de terras: o acampamento e outra localizada rio acima, onde havia uma pequena queda d’água, que, por essa razão, passou a se chamar Cachoeira. Logo à frente, estava a Serra do Guaraú.
 
Outros lugares formam denominados por ele e permanecem até hoje com a mesma nomenclatura:
 
Pouso Alto: pelo fato de dormirem numa árvore por medo de feras;
 
Barra do Azeite: por encontrarem enorme pedra, na qual um garrafão de azeite de mamona foi quebrado;
 
Lavras: por terem sido encontrados vestígios de pessoas que já haviam passado e lavrado uma canoa.
 
No entanto, foi no século XX que suas terras obtiveram maior evidência, quando se descobriu a possibilidade de exploração das jazidas locais, situadas, sobretudo, no Morro da Pedra Cata-Agulha.
 
Na década de 1930, o Brasil tinha grande falta de cimento e fertilizantes e suas necessidades eram atendidas por importação. A comprovação de existência de calcário e apatita nas rochas de um vulcão extinto, feita pelo Engenheiro de Minas do Instituto Geográfico e Geológico de São Paulo, Theodoro Knecht, levou o Grupo Moinho Santista, que, naquela época, fabricava apenas tecidos, a pedir autorização ao governo brasileiro para explorar o calcário das jazidas locais. Em 1939, período em que se iniciaram as atividades de lavras de apatita, a Serrana S/A de Mineração construiu uma vila de operários no local onde havia apenas casebres de trabalhadores dos bananais.
 
Foi necessário construir uma estrada de ferro que levasse a apatita da mina pela margem esquerda do Rio Jacupiranga à sede do município. Numa segunda etapa, era transportada até ao Porto de Cubatão em Cananéia e, em seguida, levada em barcos até Santos, para depois seguirem por ferrovia, até chegar a São Paulo.
 
Mas foi a partir da Segunda Guerra Mundial que a exploração de minérios assumiu maior importância no crescimento da região. O distrito de Cajati foi criado em 30 de novembro de 1944, no povoado de Corrente, território do município de Jacupiranga, por sua vez fundado em 1864.
 
Seu desenvolvimento, contudo, foi bastante lento devido à dificuldade de comunicação, comum às cidades daquela região. Assim, somente em 30 de dezembro de 1993, Cajati emancipou-se de Jacupiranga, tornando-se município autônomo.

ECONOMIA

Seu produto interno bruto em 2019 foi de 1,21 bilhão de reais, sendo que serviços e comércio geraram 386 milhões de reais (32%) e 188 milhões de reais (15%) foram gerados com a agricultura.
 
A mineração de apatita, níquel, água mineral e cal pelas empresas Mosaic Fertilizantes, Cimpor e Fosbrasil geraram, para a indústria, 521 milhões de reais (43%), contribuindo muito para o desenvolvimento do município, que arrecadou 122 milhões de reais (10% do produto interno bruto em impostos naquele mesmo ano.

SOBRE OS EVENTOS

Há muitos eventos como rodeios trilhas, paraquedismo, voos de asa delta, cinema e teatro, também há espaço para o ecoturismo, com cachoeiras, rios e montanhas onde se pode saltar de paraquedas, ou simplesmente curtir o visual.
 
Os idosos também têm seu espaço garantido, com academias da terceira idade em diversos pontos da cidade, além dos centros de lazer e cultura onde podem se reunir para dançar, jogar e curtir.
 
Em Cajati, há três praças. Uma localizada na entrada da cidade no bairro Vila Vitória, outra no centro em frente da estação rodoviária e outra localizada no centro também, em frente da portaria da Vale Fertilizantes. Essas duas últimas praças contam com um palco em seu centro para que haja apresentações culturais e musicais.

DADOS

Data de Emancipação Política: 19/05/1991

População: 28.372 habitantes (IBGE 2010)
Território: 454,436 km2
Localização: Vale do Ribeira
Origem do nome: Árvore de folhas oblongas (Tupi-Guarani)
Fundadores: Índio Botujuru e o português Matias de Pontes
Finalidade: Exploração da mata em busca de ouro
Municípios vizinhos: Jacupiranga, Eldorado e Barra do Turvo
Distância das principais cidades da região: Jacupiranga (13 km), Registro (44 km) Curitiba (189 km) e São Paulo (230 km)
Economia: Agricultura (Banana) e Extrativismo Mineral (Apatita, Níquel, Água Mineral, Cal etc)
Indústrias: Bunge Fertilizantes, Cimpor do Brasil e Fosbrasil S/A